Sérgio Reis e deputado Otoni de Paula fizeram ameaças de agressão a ministros do Supremo Tribunal Federal e presidente do Senado, aponta investigação

Nas redes sociais, Otoni afirmou que “não há nada melhor que não dever nada a ninguém” e chamou Moraes de “tirano”.

A investigação que motivou a operação da Polícia Federal desta sexta-feira (20) sobre atos violentos e intimidatórios contra a democracia aponta ameaças de agressão contra autoridades.

Na operação, foram realizadas buscas e apreensões em endereços ligados ao cantor Sergio Reis e ao deputado federal Otoni de Paula (PSC-RJ).

Há indícios de ameaças a ministros do STF, a senadores e ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), segundo apurou a GloboNews. As investigações de ameaças de agressão envolvem além de Sergio Reis e Ottoni de Paula, empresários e o sindicalista Wallace Landim, conhecido como Chorão.

Os indícios levaram à autorização das 13 buscas em 29 endereços, ordenadas pelo ministro Alexandre de Moraes a pedido da Procuradoria-Geral da República.

As buscas foram realizadas em endereços no Rio de Janeiro e em Brasília ligados ao cantor e ao deputado.

“O objetivo das medidas é apurar o eventual cometimento do crime de incitar a população, através das redes sociais, a praticar atos violentos e ameaçadores contra a Democracia, o Estado de Direito e suas Instituições, bem como contra os membros dos Poderes”, afirmou a PF, em nota.

Nas redes sociais, Otoni afirmou que “não há nada melhor que não dever nada a ninguém” e chamou Moraes de “tirano”. O parlamentar acrescentou que foi intimado a comparecer à PF.

Fonte: Globo News