Secretário de Bayeux, Zé Baixinho, vira alvo do Ministério Público acusado de falsificar diploma e poderá perder direitos políticos

Apesar de Zé Baixinho não ter conseguido se reeleger como vereador, ele ocupa cadeira de suplente e é secretário adjunto de Infraestrutura.

O ex-vereador e atual secretário de Bayeux, Zé Baixinho, virou alvo do Ministério Público da Paraíba após denúncia de que havia apresentado documentos falsos no registro de candidatura em 2016. De acordo com a ação civil pública de improbidade administrativa, a que o ClickPB teve acesso, José Inácio da Cunha, mais conhecido como Zé Baixinho, apresentou um histórico escolar de Ensino Médio dos anos de 2008 a 2010 e um certificado de conclusão.

O inquérito policial conduzido pela Polícia Federal apurou que Zé Baixinho não havia estudado na escola que supostamente teria emitido o diploma. O próprio político, em depoimento à Polícia Federal, confirmou que nunca havia estudado na Escola de Ensino Fundamental e Médio Irineu Pinto.

Apesar de Zé Baixinho não ter conseguido se reeleger como vereador no ano de 2020, ele ocupa cadeira de suplente na Câmara de Bayeux. Além disso, o ex-vereador é secretário adjunto de Infraestrutura na Prefeitura de Bayeux na gestão da prefeita Luciene Gomes. 

Os documentos falsos foram apresentados nas eleições de 2016 e permanecem na Identificação do Candidato, de acordo com o  Requerimento de Registro de Candidatura, tendo em vista que Zé Baixinho não tomou providências para retificar ou corrigir as informações. Nas últimas eleições, em 2020, o candidato apresentou a Carteira Nacional de Habilitação como comprovante de escolaridade.

A promotora de Justiça Maria Edligia Chaves Leite pede, em ação junto à 4ª Vara da Comarca de Bayeux, que Zé Baixinho seja condenado por improbidade administrativa, resultando na perda de função pública, suspensão de direitos políticos de três a cinco anos, além de pagamento de multa, ressarcimento integral do dano e proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios.

Fonte: ClickPB