Pesquisadora de Campina Grande aparece em lista dos cientistas mais influentes do mundo

O levantamento foi conduzido por uma equipe da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos (EUA).

Maria de Fátima Agra, pesquisadora da Universidade Federal da Paraíba, apareceu na lista dos cientistas mais influentes do mundo. O levantamento foi conduzido por uma equipe da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos (EUA), liderada pelos professores Jeroen Baas,Kevin Boyack, John P.A. Ioannidis e com a editora Elsevier BV, que tem diversas contribuições na área da medicina, sobretudo em epidemiologia e clínica médica.

Não é a primeira vez que a professora aparece no ranking. Em 2020, ela também foi incluída no ranking. Maria de Fátima Agra é natural de Campina Grande e faz parte do Programa de Pós-graduação em Biotecnologia.

Maria de Fátima Agra é graduada em Ciências Farmacêuticas pela Universidade Federal da Paraíba (1977), com mestrado em Botânica pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (1991) e doutorado em Ciências Biológicas (Botânica) pela Universidade de São Paulo (2001). Atualmente é professora associado da Universidade Federal da Paraíba, e coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Produtos Naturais e Sintéticos Bioativos.

Tem atuado como revisora de vários periódicos nacionais e internacionais, como Microscopy, Research and Technique (USA), Novon (USA), PhytoKeys (USA), African Journal of Plant Science (África) Hoehnea (São Paulo) , Biota Neotropica (Unicamp), Rodriguesia (Rio de Janeiro), Arquivos do Museu Nacional (Rio de Janeiro), Caldasia (Universidade Nacional da Colômbia) e Revista Brasileira de Farmacognosia (Sociedade Brasileira de Farmacognosia). Tem experiência na área de Botânica, com ênfase em Taxonomia de Fanerógamos, especialmente em Solanaceae do Nordeste e Solanum subgênero Leptostemonum no Brasil. Tem participado de projetos nacionais e internacionais, como coordenadora ou colaboradora, com apoio de orgãos de fomento, como CAPES, CNPq, CNRS e FINEP, atuando em estudos de taxonomia e sistemática, farmacobotânica de plantas medicinais e etnomedicina, especialmente com espécies da flora do nordeste do Brasil.

Atuou como coordenadora do Programa de Pós Graduação em Produto Naturais e Sintéticos Bioativos da Universidade Federal de Paraíba, de maio de 2010 a dezembro de 2013, triênio que o Programa passou do nível 5 para 6 nos critérios da CAPES. É credenciada como colaboradora do Programa de Pós Graduação em Biologia Vegetal, nível 6, Universidade Federal de Pernambuco, e no Programa de Pós-Graduação em Biodiversidade, Campus II, Areia, Paraíba da Universidade Federal de Paraíba.

Fonte: ClickPB