Jornalista Chico Maria morre vítima de infarto em Campina Grande

“Ele já estava já internado há quinze dias e intubado após um infarto. Ele estava com um déficit cardíaco muito grande e acabou não resistindo”, disse ao Portal ClickPB, o genro dele Ullysses Assis.

O jornalista campinense Chico Maria, que ficou famoso pelos seus questionamentos ousados em plena ditadura militar a uma série de entrevistados famosos, morreu neste domingo (13), vítima de infarto em Campina Grande. “Ele já estava já internado há quinze dias e intubado após um infarto. Ele estava com um déficit cardíaco, com apenas 25% do coração funcionando e acabou não resistindo”, disse ao Portal ClickPB, o genro dele Ullysses Assis. 

Chico Maria morreu às 5h30 no Hospital Santa Clara aos 92 anos. Ele nasceu em 17/12/1929. Não haverá velório e o sepultamento será realizado no Campo Santo Parque da Paz, em Campina Grande. O velório foi suspenso devido ao teste covid-19 ter dado positivo quando Chico foi internado. 

Entre meados de 70, 80 e 90, Chico Maria atuou no programa o “Confidencial”, apresentado na TV Borborema, dos extintos “Associados”, em Campina Grande. Na TV Cabo Branco, afiliada da Globo em João Pessoa, apresentou o “Paraíba Meio Dia”, juntamente com o jornalista Nonato Guedes. Ele entrou para a história do jornalismo e ficou conhecido pela fama de questionador. Em seus programas, inúmeras personalidades de destaque como Pelé, Luís Carlos Prestes, Dom Hélder Câmara, Leonardo Boff, Ariano Suassuna, eram desafiadas com perguntas ousadas que se diferenciava do tradicional feito na época.  

Chico Maria atuou, também, como delegado e Chefe de Polícia no governo Pedro Gondim, no início da década de 60, firmando-se pela seriedade e imparcialidade na condução de inquéritos policiais sobre crimes rumorosos que abalaram a sociedade paraibana. 

Fonte: ClickPB