Bebês órfãos de mães vítimas da Covid-19 recebem colo e afeto em programa de acolhimento em João Pessoa

Bebês que perderam suas mães para a pandemia da covid-19 estão sendo assistidos pelo programa “Hora do Colinho” da Maternidade Frei Damião. A unidade de saúde implantou o projeto idealizado pela enfermeira, Mariluce Ribeiro de Sá, para relaxamento e acolhimento para o recém-nascido, com o intuito de diminuir a ausência materna/paterna ou familiares, o estresse e a sensação de dor como também proporcionar ao recém-nascido e/ou lactente um cuidado mais humanizado e com condições que favoreçam a sua melhor recuperação.

A enfermeira explica que o colo é um “santo remédio” e existem vários estudos que comprovam os benefícios do contato físico com a pele da mãe para os bebês recém-nascidos ou com alguns meses de vida. A “Hora do Colinho” proporciona aos recém-nascidos um momento de acolhimento e terapia durante o plantão devido à ausência de familiares, com um cuidado humanizado, a fim de minimizar o estresse, alguma dor e a falta que o bebê sinta da mãe. 

A coordenadora da Alta Complexidade da Maternidade Frei Damião, Júlia Martins, explica que com a técnica do Procedimento Operacional Padrão (POP), utilizada para a Hora do Colinho, os recém-nascidos ficam mais tranquilos e menos chorosos, trazendo aconchego e reduzindo a produção de cortisol (hormônio da dor). “Devido os movimentos, a técnica contribuirá para o alívio das cólicas e garantir um sono tranquilo

“Existem estudos que dizem que o colo melhora a sensação da dor e de sua duração, diminuição da frequência cardíaca com consequente sensação de relaxamento e até mesmo ativação de genes envolvidos no metabolismo e no sistema imunológico. Os bebês, por estarem em um ambiente hospitalar, muitas vezes se sentem sozinhos, por impossibilidades de os pais os acompanharem em tempo integral ou receberem visitas, devido à pandemia ou por terem sido abandonadas. A demonstração de afeto através do colinho terapêutico ameniza o estresse e facilita a recuperação”, explica a enfermeira Mariluce Ribeiro de Sá. 

Ela explica que a técnica de POP melhora a respiração porque vai expandir a caixa torácica do bebê e auxilia o funcionamento do intestino e do estômago ao ser movimentado. Além do mais, o recém-nascido se torna mais receptivo ao toque em geral e a ter mais facilidade para se relacionar. “Devemos lembrar sempre que o toque será feito de forma terapêutica, para aliviar estresse ou algum processo de dor no recém-nascido e para o procedimento acontecer o recém-nascido precisa estar dentro dos quesitos da técnica”, finalizou.

Fonte: ClickPB