Após reunião com Sitrans, prefeito descarta reajuste na tarifa de ônibus em CG

Aconteceu na manhã desta terça-feira, 11, na sede da STTP, uma reunião entre com representantes da Prefeitura de Campina Grande e do Sitrans (Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros).

O prefeito Bruno Cunha Lima negou qualquer possibilidade de realinhamento da tarifa, lembrando que não reajustou outros tributos e taxas, a exemplo do IPTU, e que, caso fosse aumentado a tarifa do ônibus, afastaria mais ainda os usuários do sistema, o que agravaria a crise do sistema.

O gestor disse ainda que entrou em contato com outros municípios do porte de Campina Grande e que estão com as mesmas dificuldades, no sentido de buscar experiências ou alternativas para o transporte público urbano e concluiu que a solução precisa ser construída em conjunto com todos os interessados.

Para ele, o bônus que é pago pela Prefeitura já é um benefício para os consórcios que prestam serviços em Campina, fomentando a utilização pelos usuários, e que só de bonificação já foram pagos mais de R$ 1 milhão, e que o Município não tem condições de injetar mais recursos no sistema de transporte público de Campina Grande.

“A Prefeitura tem feito um grande esforço na tentativa de uma solução para manter o sistema em operação e isso é visível, a exemplo de mensalmente quitar a bonificação das passagens, mas que infelizmente, a evolução da pandemia e o impacto no Município com internações e sua influência na econômica local tem dificultado outras ações. E temos feito muito, haja visto que outras cidades com mais poder econômico não estão fazendo o que Campina Grande faz”, destacou o prefeito.

O presidente do Sitrans, Alberto Nascimento, apresentando a planilha de custos operacionais das empresas, disse ao prefeito Bruno que apoia todo e qualquer estudo de melhorias para o sistema de transporte e que não tem restrições ao realinhamento da operação dos serviços. Disse, ainda, que a as empresas também irão apresentar propostas para a construção de solução, já que o sistema atual é executado desde 1983 e que precisa ser repensado pelo Município como um todo sob pena de falência das empresas.

Ao final da reunião, o prefeito informou que vai esperar até o dia 13 de maio para que, numa nova reunião, as empresas apresentem sugestões e propostas para análise da STTP.